cartões criativos

Apaixonadas no Divã: "Eu sou católica e meu namorado é evangélico"

13 comentários
Olá queridos leitores, como estão? O caso de hoje na Sessão Apaixonadas no Divã traz um impasse religioso e familiar que está gerando muito conflito para nossa querida leitora B.C. Confiram seu depoimento:

Querida Jéssica, não estou conseguindo ver uma solução para o meu problema. Nunca pensei que a minha religião pudesse virar motivo de brigas no meu relacionamento e até de um possível término de namoro. Eu sou católica e meu namorado é evangélico e desde o início do nosso namoro já notei que os pais dele não aceitavam bem isso. Aos domingos, ele ia para o culto com a família dele e eu para a missa com a minha família. Foram 2 anos de namoro desse jeito. Eu cheguei a ir na igreja dele algumas vezes, mas nunca quis mudar minha religião. Sempre o convidava para ir na minha igreja e ele sempre tinha uma desculpa. Agora que estamos noivos, estamos discutindo algumas coisas do casamento e o ponto principal é que os pais dele querem que eu vire evangélica para casar na igreja deles. Mas eu não quero. Eu quero casar na igreja católica. Aí chegamos ao impasse, porque nenhum dos dois quer ceder. Já brigamos sobre este assunto e chegamos quase à decisão de acabar com o relacionamento por não vermos solução. Os pais dele estão contribuindo muito para isso, dizendo que sempre avisaram e que ele tinha que procurar alguém da igreja deles. O que eu faço? Me ajude, por favor a clarear as ideias. Será que existe algum caminho?

A intolerância religiosa, e até o fanatismo religioso, são posturas cada vez mais presentes em nossa vida. Não é difícil nos depararmos com pessoas com grandes dificuldades de aceitação do que lhes é diferente. Na maioria das vezes esta postura é mascarada, como no caso dos sogros de B.C., que só expuseram sua opinião contrária após o noivado. 

o mundo é plural


Em seu relato, podemos verificar investimento e motivação por parte de B.C. para se envolver com a crença da família do noivo, respeitando e até prestigiando alguns cultos, o que não é recíproco por parte de seu noivo. Neste ponto é preciso pensar o verdadeiro motivo que leva a esta postura tão ortodoxa do noivo de B.C., uma possibilidade é o medo da reprovação dos pais e uma provável dificuldade de enfrentá-los. Outra possibilidade é que o noivo compartilhe do pensamento dos pais, e realmente ache que só deve se casar com alguém que siga sua religião. 

Definir a motivação é essencial para seguir o próximo passo, pois caso a primeira alternativa seja a verdadeira, o melhor a se fazer é ter uma boa conversa e principalmente muito apoio, para refletirem juntos como lidar com a situação. Entretanto se a verdade for a segundo alternativa, o mais adequado seria repensar esta relação, pois a intolerância pode se estender para outros campos do relacionamento, e talvez não seja indicado prosseguir.

Falando um pouco sobre o impasse de “qual igreja casar”, deve prevalecer o bom senso e a empatia. Se os noivos não chegarem a um acordo, como no caso de B.C., o ideal seria buscar um campo neutro, e aí há muitas opções: benção dupla do padre e do pastor com a cerimônia sendo celebrada no salão por exemplo, ou casar apenas no civil e celebrar apenas a festa, ou ser abençoado pelos pais que adotariam o papel de intercessores, ou ir para las Vegas casar em uma capelinha com Elvis, etc.

O que deve prevalecer é a vontade de se unir, de dividir uma vida juntos, independente da origem religiosa, Deus irá abençoar a união se houver amor verdadeiro. E caso a diferença religiosa venha primeiro que o amor, algo está errado. 

Espere, querida B.C., não desista ainda, procure refletir o que está levando seu noivo a tomar esta atitude, converse outra vez, tentem encontrar um campo neutro entre vocês, e se mesmo assim o impasse permanecer, talvez seja o momento de pensar em outras possibilidades e seguir em frente.

Antes de me despedir, quero aproveitar e parabenizar todos meus colegas de profissão, pois hoje (27 de agosto) é comemorado o dia nacional do Psicólogo. E como dizia Freud:
"A ciência moderna ainda não produziu um medicamento tranquilizador tão eficaz como são umas poucas boas palavras."

JÁ PASSOU POR ALGO PARECIDO? NÃO DEIXE DE CONTAR PARA GENTE ATRAVÉS DOS COMENTÁRIOS!

Um grande abraço e até a próxima!


(As informações contidas nesta publicação NÃO substituem um atendimento real em setting terapêutico adequado com um profissional psicólogo qualificado.) 


***OBS: Quem quiser participar da sessão Apaixonadas no Divã, pode enviar e-mail para blognamorados@gmail.com com este título.***
    Comente no Blogger
    Comente no Facebook

13 comentários:

  1. Já passei por uma situação parecida. Eu sou evangélica. Comecei a conhecer um rapaz, e falei logo de cara que namoraria só com um rapaz evangélico, porque se resolvesse casar, caso não fosse teria problemas. Ele mentiu pra mim que era evangélico, tocava violão na igreja dele... E eu percebi que não era, mas não falei nada. Morávamos em cidades diferentes e nos víamos pouco. Passado um tempo eu tive um sonho, e no sonho descobri que ele estava mentindo. Perguntei e ele confirmou, e disse que era católico e que não pretendia mudar de religião. Continuei de boa, mas aos domingos eu ia para igreja e ele ia para festas de rodeio, pagode, boate. As vezes ele ia à igreja comigo, e eu raramente ia a algum dos eventos dele, não estou acostumada com fumaça de boate e som muito alto. Ele me pediu em casamento, eu falei, é melhor colocarmos um ponto final, porque é jugo desigual, não tem como combinarmos nesse quesito. Ele disse que eu não o amava e isso era preconceito, eu falei, nunca te enganei, e você mentiu pra mim, o que começa com uma mentira nunca termina bem. E nos amávamos muito. Hoje ele está com uma namorada que gosta das mesmas coisas que ele: boate, pecuária, pagode. E eu com um que toca na igreja, cantamos juntos. Meu ex e eu somos amigos, rimos do passado, e cada um encontrou alguém compatível e está feliz.

    ResponderExcluir
  2. Quando o amor prevalece, esses assuntos não são impecilho! Eu sou casada ( no civil) há 1a7m, um relacionamento de 11 anos! Sou católica e ele evangélico, não casamos na igreja Pq eu não quis! Íamos gastar muito e achamos melhor resolver isso com calma( brinco que vou casar quando for batizar o primogênito!) eu frequentei a igreja dele quantas vezes eu me senti à vontade e ele a minha, na época a mãe dele insistia pra casarmos na igreja dela com o pastor dela, só que eu não me sentiria a vontade, meu marido sempre se dispôs a casar na minha igreja! As questões cabem ao casal somente esses assuntos se não forem bem resolvidos serão sempre um problema na vida conjugal! No casamento não cabem esses permenores, tudo tem que ser acordado entre os dois!!!

    ResponderExcluir
  3. B.C., acredito que para um namoro e um casamento dar certo, os dois tem que ter o principal proposito de buscar a Deus, ama-lo sobre todas as coisas e crê em um único Salvador, Jesus.
    Te digo uma coisa, Deus ordenou o Homem para ser a cabeça da mulher, para a mulher ser submissa ao Homem, no sentido de ajudar etc. Toda autoridade é constituída por Deus, e quem não obedece, peca contra o próprio Deus.
    Sem sombra de dúvidas, seu namorado te ama e está crendo no Evangelho, esperando só você ter uma comunhão maior com Deus. Ele não quer que você se curve diante dele, não é isso.. e também não é maldade dos pais, mas a lógica deles é uma... seguir a ordenança de Deus. Partindo da premissa que Jesus existiu e existe ainda hoje, e se a bíblia é a palavra do próprio Deus falando conosco e, ela é verdadeira, então certamente podemos seguir.
    Então meu conselho é... Leia a Palavra antes de decidir terminar com seu namorado. Baseia-se sempre na Palavra e reflita. “Conhecereis a verdade e ela vos libertará” João 8:32.
    Lembre-se religião é furada, tradição nem se fala, primeiro é você dizer que você buscou a Deus de todo coração, quis entrar na igreja e quis buscar, outra é você falar que foi induzida desde a sua geração anterior (seus pais, avôs).
    Ah, eu e meu namorado éramos católicos, porém, buscamos a Palavra juntos e Ela nos libertou. Sei que foi direcionamento do Espirito Santo. Hoje somos batizados na igreja evangélica. E posso dizer com a maior alegria, foi a melhor escolha na nossa vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Primeiro, vcs não foram libertados porque mudaram de religião e sim porque resolveram buscar a palavra de Deus. A Igreja Católica nos dá o livre árbitro para tomar nossas próprias decisões e o nosso grande problema é que existem os "católicos de boca" que não tem religião nenhuma ou que vai uma vez ou outra na igreja e já se diz católico, e isso denigre a imagem dos demais que realmente vivem a religião e a palavra de Deus.
      Eu e meu noivos somos católicos, participamos de pastorais, e colocamos Deus para fazer parte de nosso relacionamento. Ninguém é dono da verdade, nem católicos, nem evangélicos, e só para constar, Deus é um só e só depende de nós deixarmos Ele entrar em nossas vidas verdadeiramente.

      Excluir
    2. Fato é, fomos libertos pela Palavra de Deus e não por religião. Apenas sigo os mandamentos de Deus e eu como cristã, tenho que explicar e alertar de acordo com o que está na Palavra, pois Jesus morreu por todos nós. A maioria dos católicos acham que os evangélicos se acham mais santos e mais amados por Deus, por isso gera tanta discussão, sendo que na verdade a principal diferença está nas atitudes, sendo que estas atitudes podem fazer uma separação por Deus.
      'Eis que a mão do SENHOR não está encolhida, para que não possa salvar; nem agravado o seu ouvido, para não poder ouvir. Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça.' Isaías 59:1 e 2
      Sendo que não deixaram de ser escolhidos e amados por Deus, porém pelas transgressões e atitudes abomináveis diante de Deus, isso tudo tem um peso e é justamente nessa questão que os Evangélicos tentam alertar para alguns que estão andando por caminhos errados, pois Deus disse: 'O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento. Porquanto rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim; visto que te esqueceste da lei do teu Deus, também eu me esquecerei de teus filhos.' Oséias 4:6
      Então só reflita com minhas perguntas e não precisa responder; você e seu noivo leem a Bíblia Sagrada? Seguem os mandamentos? Como: Disse o Senhor, 'Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. Não terás outros deuses diante de mim. Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam. E faço misericórdia a milhares dos que me amam e aos que guardam os meus mandamentos.' Leia Êxodo 20: 1 a 17 .
      Se disser que segue tudo, aí direi que mesmo católico é um servo fiel de Deus. O católico pode sim ter um contato e comunhão com Deus, se seguir a Palavra. E mesmo com o erros de todas as pessoas, não quer dizer que Deus não ame cada um.
      Quando fui da um conselho para a B.C., apenas disse para buscar a Palavra que tudo iria bem, entretanto, Deus ainda nos alerta que ainda teríamos aflições no mundo; João 16:33.
      O povo de Israel era o povo prometido Deus; ainda é, pois seguiam a risca o ensinamento de Deus e tinha uma grande comunhão. Porém, em uma fase começaram a fazer coisas abomináveis diante Dele, pecando e não seguindo a risca os mandamentos, então Deus puniu. Deus é amor, é misericórdia, fato, mas também é fogo, justiça, etc.

      Eu e meu namorado quando eramos católicos, já não tínhamos relações, não tínhamos nenhum vício, sempre participamos de grupo, etc. Tínhamos uma comunhão com Deus, uma vida de oração e jejum. Mas por decisão nossa, resolvemos conhecer a Palavra, e percebemos que algumas coisas não batiam com o que estava na Bíblia. Decidimos batizar pois não fomos assim sempre e arrependemos dos nossos pecados. 'Em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.' João 3:3

      Resumo: Religião é uma tradição, com dogmas diferentes, sendo o certo buscar na Bíblia Sagrada, pois ele é o manual de sobrevivência do ser humano.

      Excluir
  4. B.C eu sou evangélica mas não tenho absolutamente nada contra os católicos. Bem meu namorado era católico quando conheci ele mas aos poucos ele foi gostando da minha religião e começou a segui-lá. Se seu namorado no caso noivo agora é evangélico e você católica não vejo com maus olhos, a questão é que pelo que parece os pais dele são to tipo fanáticos. Já tive varias pessoas ao meu redor que enfrentaram esta situação, inclusive o meu pai é pastor e já fez casamento de pessoas que a noiva era católica e o noivo evangélico e seguiu da seguinte forma para começar eles não se casaram na igreja, se casaram em um sitio, e como ambos queriam casar conforme sua religião, fizeram dois cultos rápidos, um o pastor fez o casamento e abençoou e o outro o padre fez da mesma forma, sendo assim não prejudicando nenhum dos lados. Acredito que esta possa ser uma solução para vocês. Mas como parece os pais dele são bem radicais, senta e conversa primeiramente com seu noivo, exponha o que sente sobre isso, proponha para ele algo dessa forma, se ele realmente amar você e quiser mesmo ficar ao seu lado e seguir com o casamento creio que ele vai te entender e vocês vão dar um jeito nisso.
    Abraços e boa sorte.

    ResponderExcluir
  5. B.C eu passo pela mesma situação, meu namorado é evangélico e eu católica, e graças a Deus isso até agora não foi um problema para nós. Na base de um relacionamento devemos ter Deus, confiança e respeito, e é o que acontece conosco, respeitamos as crenças de cada um, sempre que podemos acompanhamos um ao outro na igreja, eu vou com ele aos cultos e ele vai comigo as missas e outras coisas da minha igreja, Já chegamos até a conversar como vai ser nosso casamento e eu sempre brinco com ele, vamos fazer um casamento ecumênico! rsrs Apenas a mãe, a irmã e ele são evangélicos, senti que no começo elas ficaram um pouco preocupadas com isso, devido a má fama de alguns "católicos" , mas depois que fomos nos conhecendo, conseguimos conter as diferenças, e ninguém questiona ninguém pela religião que escolheu, não vai ser fácil, eu estou ciente disso e você também tem que ser, mas nada que não se resolva com uma boa conversa, uma conversa com seu noivo, e se preciso com seus sogros para que ambos se respeitem e aceitem as escolhas no outro. Se vocês se amam e acima de tudo amam o mesmo Deus, peçam pra ele uma solução, rezem e orem juntos para que tudo dê certo e NUNCA, JAMAIS, mude de religião por causa de alguém, mude sua vida por causa de Deus, fique no local em qual sinta a presença de Deus !

    Espero que tenha ajudado e que vocês consigam ser felizes ! Abraços, Thamara Nathana !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Nossa, disse tudo Thamara. Deus é um só e nós ama de maneria surpreendente, mesmo cheios de erros Deus está ali, sempre firme.
      Passei por um caso como esse, infelizmente não deu certo... Mas é como digo, Deus sabe o que faz, e sabe o melhor pra vida dele e a minha. Tudo vem por um proposito um aprendizado.

      Que Deus continue abençoando sua relação, que tudo se encaminhe da melhor maneria possível. Deus é com vocês linda!!

      Excluir
    3. Obrigada Gabýziinha
      Precisamos entender que cada vez mais essa situação vai acontecer, as religiões vão se misturar ... Já se passou o tempo de brigar por religião, acredito que seja a hora de chegarmos no tempo do respeito, e assim ninguém precisa questionar crença de ninguém. Tenho certeza que quando entendermos isso , Deus ficará muito feliz !

      Beijos, Thamara

      Excluir
  6. Muito obrigada pela participação de todas! Muito válido cada comentário e opinião!

    ResponderExcluir
  7. Sou católica e meu namorado é evangélico. Como toda menina sempre tive sonho de casar de véu e grinalda na minha igreja, conforme nossa tradição, contudo conheci e me apaixonei por um rapaz de família evangélica. Nunca brigamos por conta da religião. Sempre que me senti a vontade fui para igreja dele e vice-versa. Aos Domingos vou à missa e ele ao culto, depois nos encontramos para jantar. Sou bastante envolvida nos eventos religiosos da minha igreja, fazendo parte do grupo de liturgia e tudo. Abri mão de casar na igreja, apesar de querer casamento misto, mas sei que não será aceito por ele, por isso estou conformada em casar apenas o civil, embora minha religião não permita a comunhão de pessoas casadas apenas no civil. Até então isso não é problema no nosso relacionamento, nunca discutimos sobre isso ou por causa disso, cada um respeita a religião do outro, inclusive a família dele tem vários amigos padres e respeitam isso. O grande problema que encontro é com relação aos filhos, na minha igreja o batismo é no nascimento, na igreja dele o batismo é na fase adulta. Com toda certeza irei querer que meus filhos sejam batizados, crismados, primeira eucaristia, o que não religião dele não existe e temo que ele não queira permitir, porém também nunca sentamos pra conversar sobre o assunto. A família dele é toda evangélica, e a minha toda católica.

    ResponderExcluir
  8. B.C eu namorei 2 anos, eu era Católica e ele era evangélico, no dia em que eu fui conhecer os pais dele a mãe dele perguntou se eu era evangélica e eu falei que era católica; a primeira coisa que ela falou foi que não daria certo, que ou eu teria que virar evangélica ou ele teria que ver como isso ia ficar, okay eu fiquei constrangida mas deixei para lá. Os primeiros 6 meses foi de puro sofrimento por causa dessa questão chegamos até acabar nesse tempo pelo mesmo motivo, depois voltamos. Com o passar do tempo a mãe dele começou a gostar de mim e perceber que isso não era um impecilho, e as vezes eu até ia visitar a igreja dele quando a mãe dele me convidava, mas sempre que passava alguma coisa na TV sobre minha religião eles tiravam onda, e eu sempre conversava com meu ex-namorado que eu não gostava e ele sempre falava que não podia fazer nada. O tempo foi passando e a questão começou a ser entre mim e ele. Em qual das duas igrejas iríamos casar? Qual religião nossos filhos seguiriam? E com alguns meses de conversa decidimos que quando fosse-mos casar seria no campo, com a presença de um Padre e um Pastor e que nossos filhos quando crescessem iriam escolher que religião seguir, até lá infelizmente ele ficariam meio lá meio cá, mas foi o jeito que nós achamos para que essa questão não atrapalhasse nosso relacionamento. Hoje nós não estamos mas juntos, mas não foi por motivo de religião. Então o conselho que eu dou a você é tentar ter uma conversa séria sobre o assunto e apresentar propostas favoráveis aos dois. Os dois terão que ceder pra poder dar certo. Beijos e espero que tudo se resolva :*

    ResponderExcluir