cartões criativos

Apaixonadas no Divã: "Não consigo aceitar a religião de meu namorado"

5 comentários
Olá, queridos leitores! O caso de hoje na Sessão Apaixonadas no Divã é da nossa leitora L.D., que vem enfrentando dificuldades na aceitação da mudança religiosa de seu namorado, acompanhem seu desabafo:

Olá. Namoro há 2 anos e 11 meses, estamos chegando aos três anos com muita luta e amor... Eu e o meu namorado nos amamos muito, mas tenho sofrido bastante, pois no segundo semestre de 2015 ele resolveu sair da igreja batista e frequentar o candomblé. Isso balançou demais a nossa relação já que sou católica apostólica romana praticante e realmente nunca fui muito amante do candomblé e sonho em casar na igreja. Já cheguei a pensar em terminar mil vezes, mas ele é um cara incrível, sou apaixonada por ele. E ele já fez algumas demonstrações de amor muito fortes que me provaram que ele também é louco por mim. Não sei o que faço pois entrei em um processo depressivo onde só choro desde o dia que ele me contou, juntou com alguns problemas familiares o que contribuiu para a depressão. Não tem um dia que eu não chore, de verdade, choro todos os dias. as vezes estou tranquila e, de repente, começo a chorar. as lágrimas vão descendo dos meus olhos sem nem perceber. Me ajuda! Não sei o que fazer, não tenho coragem de contar a minha família.
problemas com religião

Por mais bonito que seja o discurso de “Respeito as diferenças”, no fundo sabemos que a aceitação é um processo difícil e, muitas vezes, doloroso. Isso acontece pois desde pequenos somos educados sobre alguns valores e passamos a buscar pessoas que se enquadrem no que aprendemos.

No momento que nos deparamos com algo que é contrário ao que aprendemos surge um conflito muito grande, desmoronando todas as expectativas criadas e é preciso um movimento de revisão interior para ser capaz de lidar com o novo. 

A primeira questão a se levantar é a questão do preconceito, muitas religiões são vistas socialmente de uma maneira negativa, como é o caso do candomblé, mas a verdade é que poucos tem conhecimento da filosofia adotada e se baseiam apenas no dito popular. Ao vivenciar este dilema o mais indicado é deixar de lado todos os estereótipos e procurar se informar livre de julgamentos, pois se a pessoa amada buscou essa religião é porque há algo nesta filosofia que ela estava procurando ou necessitando naquele momento. Relacionamento a dois é compreensão e acolhimento, e isto inclui a religiosidade.

No caso de L.D., aparentemente além da reprovação pela religião escolhida pela namorado, parece-me que há um grande medo da rejeição de sua família, que talvez possa influenciá-la a terminar o relacionamento, o que nitidamente ela não deseja, pois deixa claro que a ama muito. O conflito maior não está relacionado a religião, e sim na opinião dos outros, a famosa “o que vão dizer”, “o que vão pensar”... Talvez seja o momento então de colocar na balança o que tem mais importância, antes de qualquer atitude a se tomar. 

Não sejamos hipócritas, a opinião de quem está em nossas vidas é muito importante sim, mas também chega um momento em que temos que saber diferenciar o que é nossa opinião e o que é a das outras pessoas, e tudo bem se não forem concordantes, pois pode se tornar uma possibilidade de ampliar horizontes e aprender novos conceitos, partilhar vivências, entre outros.

Outro ponto que gostaria de destacar, é o fato de L.D. estar passando por problemas pessoais, que segundo ela, contribuíram para um estado depressivo. Quando nos encontramos vulneráveis emocionalmente, normalmente buscamos um ponto para ser “alvo” de nossas lamúrias, em psicologia chamamos de “bode expiatório”, que pode ser alguém ou algo. Para entenderem melhor, procurem lembrar momentos em que já não estavam bem, e lembrem-se que de repente começaram a reclamar do trabalho, do relacionamento, das amizades, etc... Perceberam? Então cuidado! Antes de tomar atitudes definitivas é importante resolver o problema interior para ter mais clareza e não ficar influenciado por estes sentimentos.

Outra peça emocional que nos envolvemos é o “sofrimento por antecipação”, não é porque houve uma mudança que esta será definitiva, muitas vezes entramos em um processo de auto conhecimento e ficamos em busca de algo que nos faça sentido, e por isso experimentamos muitas coisas, até nos encontrarmos. Talvez o namorado de L.D. esteja passando por este momento, então quem sabe não seja o momento dela se desesperar pensando que seu sonho de se casar na igreja está desmoronado, não há como afirmar isto neste momento... Por isso ao invés de pensar nos “e se”, seja o momento de se preocupar com o agora. 

Sobre contar ou não a família, trata-se de algo intimamente ligado ao seu namorado, e quem tem que decidir se quer que conte ou não é ele, e só então saberá com o que está lidando. Às vezes nos surpreendemos, porque nada acontece como imaginamos que aconteceria, então muita calma nesta hora!

Enfim, resumindo, quando estamos envoltos de múltiplos sentimentos não é o momento de tomarmos decisões, e sim de superar a tempestade. Depois de alinhadas todas as emoções chega o momento de ver o que sobrou e o que podemos fazer com isso. 

Então, querida L.D., reflita, e repense até que ponto seu amor por ele é suficiente para suprir suas frustrações com estes fatos que lhe desagradam, e não desista ainda, dê uma chance a si mesma. Desejo de coração que supere este momento difícil e que possa recuperar seu sorriso e, lágrimas, só se for de felicidade! 

Um grande abraço a todos e até a próxima!


(As informações contidas nesta publicação NÃO substituem um atendimento real em setting terapêutico adequado com um profissional psicólogo qualificado.) 


***OBS: Quem quiser participar da sessão Apaixonadas no Divã, pode enviar e-mail para blognamorados@gmail.com com este título.***
    Comente no Blogger
    Comente no Facebook

5 comentários:

  1. Cara amiga,
    Vc tem sofrido, pq infelizmente vc está sendo atormentada por essas forças malignas a qual seu namorado está seguindo. Só nosso senhor Jesus Cristo pode te ajudar querida, busca a face de Deus com todo o seu coração e peça que o liberte deste cativeiro, mas procure tirar todas as portas abertas de sua vida que possam entrar o pecado. Busque em espírito e verdade conhecer o que diz a PALAVRA de Deus e siga seus mandamentos. A oração é uma arma muito poderosa querida, como diz a palavra : A LUTA não é contra a carne, mas sim contra o espírito.
    Se quiser aconselhamentos me manda um e-mail bruna_moreira92@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  2. Que comentário preconceituoso!!! Bruna acorda pra vida, pois somos todos irmãos perante a Deus! Que cristã és ti, com esse pensamento? Que Deus tenha piedade de sua alma e a faça redimir.

    ResponderExcluir
  3. Querida, vou lhe falar de uma experiencia pessoal. Eu tambem sou catolica praticante, e não gostava nem um pouco do candomblé, mas o que eu conhecia de verdade? Nada! Só boatos de gente preconceituosa. Minha melhor melhor amiga é do candomblé e só me contou isso após um ano de amizade, pois tinha medo da minha reação, meu coração doeu ao ver o quanto eu era preconceituosa, foi então que eu abri os olhos: Eu não sabia de verdade o que se passava nessa religião, sendo assim julgava algo que eu não conheço, isso sim é um pecado.
    Se somos catolicas e queremos seguir a biblia, só podemos falar daquilo que conhecemos, e mesmo conhecendo, não podemos julgar JAMAIS. preconceito não se encaixa na palavra de Deus.
    O que eu descobri? Uma filosofia muito linda por trás do candomblé, descobri o que eles de fato acreditam, o que (e por que) eles realmente fazem, e acredite, não tem NADA A VER com as coisas que a gente escuta! Serio mesmo.
    Então eu te digo, dê abertura pro seu namorado, entenda no que ele acredita, por que ele acredita, por que trocou de igreja, o que na igreja anterior não o satisfez mais e que agora satisfaz, mas faça isso de peito aberto, sem pré julgamentos morais, sem pensar no que vão pensar; faça no intuito de compreendê-lo, não de julgar aquilo que ele acredita como errado.
    Quanto a rejeição da sua familia, ora ou outra você vai ter pensamentos diferentes destes, e vai precisar enfrentá-los. Com seu namorado ao seu lado, será muito mais facil. Acredite, se você compreender o lado dele, vai ter vontade de defendê-lo de todo preconceito que ele será submetido por causa da religião e não de ser mais uma a praticar.
    Um grande beijo!

    ResponderExcluir
  4. Eu sou Umbandista e meu noivo se diz Evangelico, digo isso pois ele não frequenta, mas na familia dele até pastor tem.
    A familia dele tenta nos separar sempre, e até ele já percebeu isso.
    Mas o amor tem que falar mais alto. Religião não é motivo para término.
    No meu noivado, a pastora da familia dele pregou a palavra, e eu respeitei, por que Deus primeiro tem que estar dentro de nós, tudo o que vem de Deus é bom.
    Fique tranquila, converse com ele, mostre seu ponto de vista, mas não imponha nada.
    Se ele prova que te ama, isso é o essencial.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Entro nesse blog pra pegar algumas ideias que eu acho super criativo... Mas nunca parei pra ler esse quadro, se assim posso chamar! Me interessei pela sua história e vou contar o porque. Sou umbandista, estou nessa religião a alguns anos e posso t dizer com todo amor que eu tenho por ela q eu não tenho pretensão nenhuma de trocar. Meu noivo é católico, de ir a igreja e tudo mais. Isso n impede e nem nunca impediu do nosso amor só aumentar! Antes de frequentar um terreiro de umbanda, tinha preconceitos e medos, como a maioria das pessoas, e acabei entrando por curiosidade. Confesso a você que os medos q eu tinha eram os meus preconceitos... Não posso responder por todos os templos, pois como toda religião tem seus bons e seus ruins, assim como em todos os lugares. No terreiro q eu frequento seguimos o evangelho segundo o espiritismo, estudamos muito, não há matança de animais, não é usado sangue de ninguém para nada, todas as segundas feiras rezamos os terços, enfim! É um local de paz, de amor, onde aprendemos a respeitar e amar o próximo, fazemos caridade pois só com a caridade estamos perto de Deus! Enfim, minha cara, se você pensar que Deus é um só, e agir com amor... não há problema nenhum em você e seu noivo divergirem de religiões! O meu casamento vai ser na praia, com um celebrante, para ser justo para as duas religiões, e tenho a certeza que vai ser lindo! O amor cura tudo!
    E antes de julgarmos devemos conhecer, preconceitos também levam para distante de Deus, mesmo se rezando o terço todos os dias! Na própria bíblia diz não julgueis para não serdes julgados, enfim! Espero ter ajudado!

    ResponderExcluir