cartões criativos

Apaixonadas no Divã: "Famílias Abusivas - extorsão financeira indireta"

2 comentários
Olá à todos, como andam? O post de hoje no “Apaixonadas no Divã” reúne três desabafos sobre a grande dificuldade em lidar com famílias abusivas, que não respeitam o limite e ultrapassam a linha do bom senso. Acompanhem comigo:

Leitora S.L.

Sou casada, tenho um ótimo marido, mas estou quase a ponto de perdê-lo, pois minha família toda hora me pede as coisas e só meu marido trabalha e ele está cada dia mais revoltado, o problema é que não sei negar ajuda a ninguém... é não sei como falar com minha família sem magoá-los, mas também não quero perder meu marido. Eu o amo muito, estamos juntos a quase 12 anos e temos duas filhas. Não suporto mais essa situação. Me dê uma opinião sobre o que devo fazer.
Leitora A.R.

Inicialmente,  gostaria de mencionar que meu marido quando morava na casa dos pais sempre ajudou com as despesas domésticas,  muito mais do que os demais membros da família, pois é empregado publico. (...) Sempre vi isso ele ajudando mais do que os outros e sempre ficando sem dinheiro (...) Me casei há um mês e dez dias e o que eu já previa aconteceu! O meu marido foi casado anteriormente e a família dele não gostava da ex por que afirmavam que ela o traiu e simplesmente abusava do cartão de crédito dele (...) Certa vez fui a um churrasco dos amigos na época do meu noivo,  hoje marido, e a esposa de um dos amigos me perguntou - "Viu, me diga uma coisa, o que que o (marido) faz do dinheiro dele,  pois ele recebe um salário para sustentar uma família, mora com os pais e sempre está com roupas velhas, carro velho etc?" Aí eu disse olha o que ele faz com o dinheiro dele enquanto nos somos noivos não é da minha conta,  só posso te responder isso depois que eu for casada. Na verdade eu captei a malícia da pergunta, essa moça queria mesmo é confirmar se o que a ex dele dizia era verdade que ela gastava cartão de credito e cartão de mercado,  porque se ela não fizesse a família ficava pedindo toda hora. (...) detalhe que várias pessoas me falaram a mesma coisa, a cunhada dele, a tia etc. Contei para ele na época e e ele ficou bravo com o interesse dessa moça. Tudo bem,  mas fato é que desde o tempo que nos éramos namorados, noivos,  eu via essa situação e não me agradava nenhum pouco. Era toda hora cartão de mercado a mãe pedindo, pedindo cartão de credito e pior sempre ligava pedindo pra ele levar no mercado, na igreja etc. como se não houvesse ônibus na cidade! e sem ajudar em nada com combustível. Certa vez me irritei por que realmente via ele gastando todo dinheiro dele para sustentar a família dele, sendo que a mãe trabalha, o pai é pintor autônomo e já vi os suntuosos serviços que realiza, o irmão também trabalha e havia mais uma irmã menor, mas fato é que todos tem renda e ficavam sugando ele. Um dia perguntei por que ele deixava aí ele me disse que o casamento anterior não deu certo a família era contra e ele se sentia culpado por, no entender dele,  "virar as costas" (se referindo ao fato de na época não emprestar os cartões para família) pra família dele por conta da ex e quando o relacionamento acabou eles o acolheram de volta. Acolheram? A minha sogra me contou que apos o fim do casamento dele ele foi pedir para voltar pra casa e simplesmente ela disse "tudo bem, mas traga teu carro de volta, sem o carro você não volta aqui"- Jesus! Fiquei de cara por que ouvi isso dela e claro falei pra ele, mas ele me disse que ela fez tudo isso por que senão ele realmente deixaria o carro com a ex- sei lá, achei estranho!. ok tudo isso me incomodava e eu disse na época de noivado que eu não queria me indispor com a família dele,  mas eu não aceitaria uma situação dessa (me refiro ao fato de ficar emprestando cartões toda hora) ele disse ah tudo bem isso não vai acontecer meus pais não são assim. Tudo bem mas há exatos 41 dias de casamento a minha sogra pediu pro meu marido o cartão emprestado por que ela queria comprar uma bicicleta pra filha (07 anos) e precisava de mais ou menos mil reais. Ele foi muito sincero e me contou. Detalhe: nós acabamos de nos casar e estamos acertando algumas contas ainda, reformando a casa e gastando bastante! E ela sabe disso. Aí falei pra ele que não concordo com empréstimo e ele contra argumentou dizendo que “eles pagam certinho” aí eu falei:  pois é,  mas por que eles não usam cartões deles, daí ele me disse:  mas eles não tem (...) Falei que discordo do empréstimo até por que eles devem aprender a viver com orçamento deles e não com o nosso (...) Não sei qual era a real intenção da minha sogra a fazer tal pedido, mas desconfio de que ela quisesse que nos brigássemos, creio que ela não quer um filho casado com família, creio que ela quer um filho dentro da casa dela fazendo papel de provedor da casa (...) PS: apenas falei que discordo do empréstimo por que não é para nada essencial, se fosse algo realmente necessário ex: remédios eu seria a primeira a ajudar (...) Preciso de ajuda , não quero ser injusta com ninguém, não quero brigar com meu marido, mas acho essa situação complicada pois meus pais não fazem isso. [ Obs. Este relato foi resumido para poder ser publicado ]
 Leitora B.C.

“Estou namorando há 3anos, e o começo do namoro foi tudo ótimo, tudo lindo com minha sogra (...) Meu namorado tem 26 anos, um irmão de 17, e uma irmã de 23, que mora em uma cidade vizinha sozinha (...) O pai deles foi embora ainda quando muito pequenos, ele era meio cafetão, foi morar com uma mulher rica e nunca pagou pensão (...) Meu namorado precisou parar de estudar na 8ª serie, e começou a trabalhar aos 14 anos. Ele era o filho que ajudava os irmãos e a mãe, até aí ela trabalhava também... Foi uma infância muito difícil para os 3, para ela também, apesar de infelizmente ela não ter aplicado disciplina, regras, bons modos, e ser um espelho aos filhos, ela também sofreu muito (...) conforme fui convivendo, dentro da casa dele, venho percebendo que a mãe não faz nada para ajudar o filho. Tipo sangue suga. Uma parasita. Meu namorado é pobre, porém eu nunca abandonaria ele por conta de falta de dinheiro. Vou lhes explicar meu drama. Até 1 ano e meio de namoro eu amava ela, de verdade! Quando descobri que ela mentiu pra mim, dizendo que meu namorado não havia saído em uma noite que descobri que ele saiu, depois ele viu que não ia ter escapatória e confessou, fiquei uns 4 dias sem falar com ele (...) a minha amizade com ela havia morrido no dia da mentira da que ela inventou. (...) Ela sempre pensou muito nela e deixou os filhos de lado, mesmo trabalhando, meu namorado tinha que ajudar com as despesas da casa, e davam tudo pro irmão.... Dali já dava pra perceber os papéis trocados. No momento era a mãe, o"pai" (meu namorado) e o filho (que é o irmão) (...) Em um ano de namoro, ela põe na cabeça de querer fazer faculdade. Até aí de boa, dei a maior força pra ela, isso foi antes dela morrer pra mim como sogra, quando resolveu encobertar o meu namorado. Conseguiu uma bolsa com um vereador qualquer, em um curso de 4 anos. Faltando alguns meses para ela concluir o primeiro ano de faculdade , o vereador não é elegido, e não sei o que aconteceu que ela perdeu a bolsa por conta disso, mas estava estagiando e tinha um dinheirinho, porém ela teria que trabalhar no estágio, para poder pagar a faculdade, que ela fazia a noite. Até que esse dinheiro não estava dando, e ao meu namorado recorria. Então vamos lá: ela ajudava com alguma coisinha, ele ajudava com metade do salário em casa, mais o vale alimentação todo pra casa, mais um dinheirinho ali pra ela na semana, e mais a faculdade dela! Eu nunca reclamei de nada até aí, pois sempre compartilhei meu dinheiro com ele, chegava a ter que comprar algo que eu tava afim de comer, com meu dinheiro pra nós dois, e tipo, foi indo desse jeito e eu acabei ficando sem grana. Eu trabalhava, tinha minha grana, cheguei comprar e pagar muita coisa pra nós, inclusive pra minha sogra. Só que eu parei quando descobri o quão manipuladora e folgada ela é (...) Nessa época meu namorado estava juntando um dinheirinho pra comprar uma titã mais nova... (...) Ele conseguiu pegar uma moto (...) Quando chegamos e falamos pra ela desse progresso, ela virou outra pessoa.... "Ficou super triste por ele ter comprado uma moto ao invés de ter lhe dado o dinheiro pra pagar a faculdade dela... Porque ele sabia que ela estava precisando, e que a faculdade dela, no momento era mais importante" (...) Eu quis morrer. Mas não me intrometi. Fiquei na minha. E muito triste. Eu estava sofrendo pelo meu namorado (...) Se eu fosse mãe, eu iria dar o sangue pra fazer a vida dele a mais feliz, saudável, com disciplina no limite certo (...) Final das contas, meu namorado se sentiu culpado por ter comprado a moto e não ter ajudado a mãe! É... podem crer.... Ate eu fiquei meio em choque! Mas o drama e escândalo dela foi tão, tão grande, que até eu comecei a dar ideia pra ele conseguir os dois mil reais, que ela precisava pra quitar uns meses de faculdade atrasado, e pagar uns três adiantado. Meu namorado correu o risco de perder o emprego, pois a ideia que ela deu, foi dele pedir um adiantamento no trabalho. E o patrão o ajudou. Meu namorado é uma pessoa muito boa, difícil alguém não gostar dele. Muito fiel ao trabalho e aos amigos. Deu toda a bufunfa pra minha sogra que sumiu com a grana. Falava que ia pra faculdade, mas eu descobri por uma vizinha, que ela ia na casa da própria passar as horas. Final das contas, meu namorado ficou alguns bons meses, devolvendo o adiantamento, vendo o seu salário ser descontado, e indo embora pra casa, e mais uma ajudinha de custo toda a semana pra ela. A troco de que? .... Nada!(...)Depois trancou a faculdade(...) à exatamente 3 semanas atrás, ela pediu pra se auto internar, pois disse que estava com depressão, como é época de eleição, não sei à que cargas d'água ela conseguiu uma vaga em uma clínica, totalmente grátis (...) Se internou, e meu namorado ficou com a casa pra cuidar, filho pra criar (irmão) e eu pra ajudar nos deveres da casa dele (...) Se não fosse a avó, mãe da minha sogra, os três morreriam de fome, pois além dessa vida toda boa de dona do lar, ela não FAZ A COMIDA DOS FILHOS. Muitos finais de semana, eu que cozinho, e muitas vezes ela me pedia pra cozinhar! Folgada é pouco pra ela gente. (...) ela ficou nessa clínica internada, porém ficou só um mês (...) Depois falou que não era depressão, e sim, síndrome do pânico. Passou ate no médico. Ele chegou a brigar com ela, o real motivo eu acho que nem eu e muito menos o meu namorado vamos saber, pois ela é uma ótima atriz, e ele nunca enxergou isso. Falo em ótima atriz porque lembrei de uma cena também: Meu namorado falava que às vezes ela tinha uns ataques, tipo ficava tremendo as mãos... Dava um choque epilético na mulher, sei lá o que acontecia.... Mas no fundo era pra arrancar grana do filho. (...) Daí em diante eu não hesitava em falar pra vó deles tudo o que eu via essa mulher fazer, e vocês acham que ela não sabe a filha que ela tem? A própria avó difamando a filha desnaturada (...) Eu já fico a semana toda sem ver meu namorado, pois moramos em cidades vizinhas. Só nos falamos pelo celular, chega fim de semana, ele vem me buscar, ou dorme aqui... Mas este em especial, foi o que abalou meu relacionamento com ele. A casa dele tem só 3 cômodos, não há um pingo de respeito quanto a privacidade de cada um (...) Na casa dele é muito difícil, privacidade 0, e ela ainda me chamou pra morar lá. Talvez esteja contando com minha ajuda financeira também (...) Bom gente, pra deixar claro minha angústia e meu drama, lembrando que estou namorando há três anos...Nunca sentamos em um barzinho pra comer uma porção de batatas. Nunca fomos ao cinema e nunca fizemos várias outras coisas que um casal comum e apaixonado faz... Desde o princípio do namoro, sempre fizemos muitos planos, ate nome de filhos escolhemos, conseguimos fazer algumas viagens, sempre com muito pouco dinheiro, porém eu sempre tinha que arrumar grana pra pagar o meu, às vezes estava desempregada, como hoje em dia me encontro por ex. (...) Então resumindo, eu sempre arrumo um jeito de arcar com minhas despesas quando estou com ele. Mas deixamos de fazer muitas coisas que um casal faz, para ele poder fazer os caprichos da mãe (...) Depois de mil brigas que já tive com ele, pelo mesmo motivo, a falta de respeito das amigas dele - tanto é que consegui dar um fim em todas que me desrespeitaram. (...) eu disse " ate quando eu vou ter q aturar tudo isso?" Ele disse " eu vou acabar brigando com VC" Terminei dizendo " esse entra e sai dessa gente.... N dá"...E tipo galera.... Como vou confiar plenamente nele, se na casa dele não tem regras? Nem as mais básicas! (...) Eu amo meu namorado, ele é um dos homens mais responsáveis que já conheci em toda minha vida. Sem brincadeira. Mas morre de medo... de algo acontecer com a mae, nesses"falsos chiliques que ela dá", e infelizmente, acaba esquecendo de nós dois, dos planos que fazemos. Então conversei com ele agora à pouco, depois de ter pedido concelhos pra minha mãe, que é a melhor mãe do mundo pra mim. Tira do dela, pra por pros filhos.... E resolvi colocar ele à par da maioria das coisas que escrevi aqui. Pedi um tempo pra que ele pudesse dar a"devida atenção" que a sogrinha merece. Já que eu não to cabendo em lugar nenhum.... E que quando a velha se estabilizar com a vidinha dela, estarei aqui... Pra ele! E que se ele encontrasse alguem que aceitasse as condições de vida sem regras que ele leva, que ele fosse muito feliz! Pq eu definitivamente não sou obrigada a passar por isso. Ver tudo o que vi e ficar calada. Deixar a sogra fazer o filho de trouxa, sugando toda a pouca grana do menino e empacando a vida, o relacionamento e os sonhos dele (...) Estou disposta a jogar 3 anos pela janela à fora, por causa de uma sogra sem escrúpulos algum. Uma verdadeira 100 noçao de tudo, sem noção de responsabilidade, sem noção da vida.” [ obs. este relato foi resumido para poder ser publicado]

O grande problema em relações abusivas, como já explicado anteriormente no post “Minha sogra pede dinheiro pra tudo para meu noivo”, é o estabelecimento de limites, mas nesta oportunidade vamos falar de outro ponto importante que sustenta tais relações: a dificuldade de separação e o sentimento de desamparo/abandono.

Como podemos ver nos três casos, a grande justificativa para manter/aceitar tal abuso se dá no conceito de “não posso abandonar minha família”, “eles precisam de mim”, este pensamento distorcido de “dever” sem limites é reflexo de uma dificuldade presente em muitas pessoas: a hora da separação. 

É preciso estar emocionalmente maduro para compreender que é chegada a hora de sair do conforto familiar e ir em busca da construção de sua própria família. Mas este rompimento não é fácil mesmo, o problema é que algumas pessoas apresentam o sentimento de estar trocando ou substituindo uma família por outra, o que acaba gerando a temida culpa. A saída (disfuncional) encontrada então é manter algum elo, na tentativa de reparação do “abandono/desamparo”, neste caso este elo se dá através do suporte financeiro desenfreado.

extorsão financeira

Em alguns casos a culpa é ainda maior quando há diferença no conforto por exemplo, se a família de origem vive em situação humilde e a nova família vive em situação confortável, estes sentem como se fosse um “pecado” ser mais feliz, mais rico, mais bem sucedido, entendem?

Resumidamente o medo de separar-se e a culpa de deixar a família de origem pode ser um dos grandes responsáveis pela sustentação de relações abusivas de várias formas, neste caso, no abuso financeiro. 

Por se tratar de um conceito muito enraizado, sustentado por medos e fantasias inconscientes, é preciso muita paciência e compreensão para ajudar o parceiro a superar tal sensação. O que quero clarear é que de nada adianta apontar o dedo e dizer que está fazendo demais, pois para quem o faz não há uma cota aceitável, não há o famoso limite. E diante de lamentações ainda pode-se fazer o outro achar que trata-se apenas de ciúmes ou egoísmo. 

Em casos de grande descontrole, e de grande prejuízo pessoal, o ideal é a procura de um profissional psicólogo para trabalhar tais questões, mas é possível ajudar com algumas pequenas atitudes também. 

Procurar apontar menos os excessos e ao invés retomar os pontos positivos, fará com que o parceiro consiga enxergar o que tem feito de bom, e diminuir a sensação de dívida sem fim, e juntamente com isso lembrá-lo como ele também precisa se cuidar e que isso também fará a família dele feliz, procurando fazê-lo perceber que a felicidade dele também é importante e também é uma maneira de retorno por tudo que a família fez por ele até ali. 

Tentar assumir o controle financeiro também pode ajudar, criando planilhas de gastos para registrar onde vai o dinheiro, transformando o que é abstrato em concreto, podendo ficar exposto ali os excessos de maneira indireta, abrindo espaço para conversar sobre a situação sem brigas. 

Nesses casos, quanto menos enfrentamento melhor, pois a cada confronto cria-se uma barreira mais forte distanciando cada vez mais o casal, é mais indicado tratar do problema por outras vias, utilizando outros recursos, pois bater de frente só deixará o outro mais “cego”. 

E em muitos casos é importante respeitar seu próprio limite, até que ponto está disposto a lidar com essa situação? Até que ponto é capaz de suportar esta situação? Algumas pessoas não serão, e aí o melhor é aceitar que há esta incompatibilidade e que talvez seja melhor desistir dessa relação e buscar algo que lhe faça mais feliz.

Desejo que as leitoras que compartilharam sua história consigam lidar da maneira menos dolorosa com esta realidade e que possam voltar aqui relatando como tudo se resolveu positivamente, seja de uma forma ou de outra.


Um grande abraço à todos e até a próxima!


(Atenção: As informações contidas nesta publicação NÃO substituem um atendimento real em setting terapêutico adequado com um profissional psicólogo qualificado.) 

Curte nossa coluna? Então dá um “like” lá no facebook para não perder nenhuma novidade: Apaixonadas no Divã.

***OBS: Quem quiser participar da sessão Apaixonadas no Divã, pode enviar e-mail para blognamorados@gmail.com com este título.***
    Comente no Blogger
    Comente no Facebook

2 comentários:

  1. No ultimo caso, não vejo nada de mais na namorada pagar sua parte nas despesas. Se vc trabalha, tem dinheiro, sabe q o cara n tem condição, pq não poderia pagar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não concordo..Entendo o lado dessa namorada e sei como é dificil vc tentar ajudar de todas as formas e vê que a familia não ajuda.. Poxa só um lado tem que seder? A familia dele tem que saber que a vida é dele,cada um tem que seguir seu rumo,ele tem vida tbm,tem que curtir a vida dele tem 26 anos,tem as prioridades,sonhos dele,a vida dele tem que seguir..Não tem culpa do que aconteceu,acho certo ele ajudar quando precise agora bancar a familia com coisas futeis é dms,todos tem que se mover tbm,ver só um tentando ajudarm,prejudicando o namoro e seu futuro é dms.. ai não ne ?
      A namorada vê que ele ta com dificuldades e tenta ajudar, pra que ? pra ve que a sogra que é mae nao ajuda e ele nao acha ruim ela nao pode parar vida por conta da sogra que nao é dela..Isso vai dele tbm de reconhecer limite nas coisas,quem tem que colocar limite nas coisas é ele

      Excluir